Atrologia Indiana

Astrologia Indiana - Vedica José Astrologo Astrologia Indiana Astrologia Indiana Astrologia Indiana

Mensagem

Para os indianos da ficção e da vida real a astrologia védica é uma ferramenta poderosa na escolha do par ideal.

Juliana Paes foi eleita a mulher mais sexy do mundo pela revista Vip por dois anos consecutivos. As curvas generosas, distribuídas em um corpão de 1,70 m, poderiam atrair uma fila de pretendentes caso ela fosse solteira. Os dotes físicos da atriz não funcionaram tão bem na Índia: sua exuberância não foi capaz de livrar a personagem Maya do casamento forçado com uma árvore. Afinal, que tipo de homem arriscaria unir-se a uma mulher amaldiçoada para o amor? A triste sina da mocinha das oito foi descoberta por meio de seu mapa astral, consultado por Pandit (José de Abreu). “Na Índia não se casa porque a pessoa é bonita e popular ou porque tem carro. A primeira coisa que se faz é analisar o mapa astral”, explica o professor Orlando Alves, mestre em filosofia hindu pela Roch Ville University (Estados Unidos).

Presidente do Instituto Superior de Estudos do Shaivismo da Kashemira (http://institutodeshaivismo.spaces.live.com), Alves conta que a consulta astrológica é ferramenta importante para a constituição dos acertos matrimoniais na Índia. “Para os ocidentais parece estranho que os jovens se casem sem contato prévio, mas na verdade eles têm muito conhecimento de seu par por meio da astrologia. Não se conhece uma pessoa a fundo porque você a beijou ou dormiu com ela. Basta notar quantos ocidentais alegam que o parceiro ‘mudou’ depois do casamento, quando na verdade eles não se conheciam tão bem. Já na Índia, as taxas de divórcio são baixas.”

Especialista em astrologia indiana (ou védica), José Gorodetchi (www.astrologiaindiana.com.br) analisa como a posição dos astros pode determinar o destino dos pares. “Há um fenômeno astrológico popular na Índia chamado ‘kujadosha’. Dizemos que a pessoa tem kujadosha quando o planeta Marte está nas seguintes casas astrais: 1, 4, 7, 8, 12. Trata-se de uma pessoa que maltratou o parceiro em uma vida passada. Na vida atual ela deve se casar com alguém que também tenha ‘kujadosha’ ou então estará sujeita a um par que a maltratará nessa vida. Os pais de uma criança kujadosha nunca a deixarão casar com alguém em outra condição”, diz.

De acordo com Gorodetchi, existe na Índia até uma tabela de afinidade para testar a compatibilidade entre os pretendentes. “Esse sistema astrológico, conhecido como nakshatras, se baseia na análise das luas do homem e da mulher. Os resultados são obtidos por meio de uma escala que vai de zero a 36. A partir de 18 pontos o casamento é considerado possível. De um modo geral, a astrologia indiana se difere daquela conhecida no Ocidente por estar muito mais focada na análise kármica do que na avaliação psicológica da pessoa. A o detectar as dívidas trazidas de outras vidas por meio do mapa astral, o astrólogo ajudará a atenuar as dificuldades que o indivíduo enfrentará pela frente.”

Leia a matéria na íntegra na Revista JT de 08/02/2009

Fonte: Jornal da Tarde

ganisha.gif
Idéia na Web - Marketing Digital